domingo, 21 de dezembro de 2014

Banco do Brasil: Saiu o primeiro edital para escriturário


E a semana termina em alto astral para os interessados em ingressar no Banco do Brasil (BB). Foi divulgado nesta sexta-feira, dia 19, o primeiro edital do concurso para escriturário, cargo de nível médio, que oferece remuneração de R$3.134,78, para carga de trabalho de 30 horas semanais, além de diversos benefícios e grandes perspectivas de crescimento profissional. Como nas seleções anteriores, o concurso é para formação de cadastro de reserva, viabilizando contratações de um grande número de aprovados durante sua validade, que é de um ano, prorrogável pelo mesmo período. Desta vez, o BB informou no documento o limite de cadastrados que o concurso formará, disponível no anexo II do edital. No total, serão classificados, podendo ser contratados, 2.499 aprovados. Há reserva de vagas para deficientes (5%), negros e pardos (20%). Este edital abrange os estados do Acre, Amapá, Amazonas, Ceará, Maranhão, Mato Grosso, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Santa Catarina e Sergipe. Um segundo edital, contemplando outros estados, inclusive o Rio de Janeiro, está programado para maio de 2015.

A função de escriturário proporciona remuneração de R$3.134,78, incluindo vencimento de R$2.227,26, cesta-alimentação de R$397,56 e vale-refeição de R$509,96. O banco oferece ainda a possibilidade de ascensão e desenvolvimento profissional e participação nos lucros ou resultados do BB, o que proporciona ao servidor a constante valorização de seu trabalho e a manutenção da motivação. A carreira de escriturário, inclusive, é o primeiro degrau dentro do banco. Com o tempo de serviço, o funcionário poderá galgar outros postos, podendo ocupar, em pouco tempo, cargos gerenciais e de supervisão, por exemplo. A empresa oferece também vale-transporte, auxílio-creche, auxílio a filho com deficiência, plano odontológico, assistência médica (planos de saúde) e previdência privada.

As inscrições serão recebidas a partir da próxima segunda, 22 de dezembro, com atendimento aos interessados até 19 de janeiro. O atendimento será feito no site da Fundação Cesgranrio, organizadora, com cobrança da taxa de R$40. Os membros de família de baixa renda, inscritos no CadÚnico, poderão solicitar a isenção no site da organizadora, entre os dias 22 e 29. O resultado preliminar dos pedidos será divulgado no dia 8 de janeiro, cabendo recurso no dia 9, e o final será publicado no dia 15 de janeiro. Os deficientes ainda deverão enviar, via Sedex, à Fundação Cesgranrio um laudo médico (original ou cópia autenticada), até o último dia de inscrições.

A seleção ocorrerá por meio de prova objetiva e redação, que serão aplicadas no dia 15 de março, com duração de cinco horas. A primeira será composta por 70 questões, sendo 25 de Conhecimentos Básicos – com cinco de Atualidades do Mercado Financeiro, dez de Língua Portuguesa e dez de Raciocínio Lógico-Matemático – e 45 de Conhecimentos Específicos – com cinco de Cultura Organizacional, cinco de Domínio Produtivo da Informática, cinco de Inglês, dez de Atendimento, dez de Técnicas de Vendas e dez de Conhecimentos Bancários. Já a redação será do tipo dissertativo-argumentativo e terá entre 25 e 30 linhas. Será considerado aprovado na objetiva quem conseguir pelo menos 45% dos pontos na prova de Conhecimentos Básicos, 55% na de Conhecimentos Específicos e 55% na soma das duas, sendo que o candidato não pode zerar nenhuma disciplina. Na redação, estará apto quem conseguir, no mínimo, 65 pontos. O resultado final do concurso está previsto para ser publicado no dia 4 de maio. O BB contrata pelo regime celetista e, antes da admissão, haverá uma perícia médica, sob responsabilidade do banco.

Serviço
Inscrições: www.cesgranrio.org.br

sábado, 20 de dezembro de 2014

Eleição da nova Diretoria da ADEFIC - Caicó


Ocorreu no dia 06 de dezembro de 2014 a eleição da Associação dos Deficientes Físicos de Caicó - ADEFIC e hoje 19 de dezembro de 2014 ás 16 horas, na Casa da Cidadania, antiga prefeitura, aconteceu a posse da Diretoria Executiva e do Conselho Fiscal eleitos para um mandato de 4 anos.

Diretoria Executiva:
Presidente: Antonio de Souza Filho (Caçador)
Vice-Presidente: Guilherme Salustiano de Araujo Neto
1° Secretário: Nereu Ferreira da Mota
2° Secretária: Solange Guedes da Silva Nascimento
1° Tesoureiro: Rozivaldo Valle da Costa
2° Tesoureiro: Marinalvo Macário dos Santos

Conselho Fiscal:
Membros Titulares: Josenildo Ramalho Diniz
Willame de Oliveira Gomes
Josemar Miguel do Nascimento
Suplente: Maria Jose de Medeiros Macario

Desejamos um Feliz Natal e um próspero Ano Novo para todos os Sócios, Colaboradores e Admiradores da Adefic. E vamos todos dar as mãos e ajudar na Construção da nossa Sede que é um sonho de 20 anos que esta começando a se concretizar e para podermos voltar a fabricar vassoura, tirando a garrafa pets do meio da rua e assim contribuindo para a melhoria do meio ambiente.
O presidente reeleito Caçador, convida todos os deficientes físicos de Caico para um novo Cadastramento em Janeiro de 2015. Maiores informações no programa Ação e Cidadania da Adefic que acontece aos sábados das 15 ás 16 horas na Radio A Voz do Seridó e no telefone 84 9609-2720 (Caçador).
Pedimos a sua AJUDA para a conclusão da realização deste sonho dos associados:

Associação dos Deficientes Físicos de Caicó/RN

Missa de 1 ano

Convidamos parentes e amigos para se fazer presente a missa de 1 ano de Maria Adelaide Galvão


sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Contribuições financeiras para o FIA darão direito a dedução no imposto de renda

       Após encontro no último dia 18 de novembro que discutiu com empresários currais-novenses a importância da contribuição financeira para os projetos beneficiados pelo Fundo da Infância e Adolescência (FIA), o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente – CMDCA comunica que até o dia 31 de dezembro está realizando a campanha de conscientização para que os empresários locais e população contribuam com o fundo. De acordo com a presidente do CMDCA Maria das Dores Cândido Fernandes, as pessoas físicas e jurídicas que doarem ao FIA terão dedução no imposto de renda. “Para as pessoas físicas e jurídicas as deduções no imposto variam”, disse. Para realizar a contribuição financeira, Maria das Dores e Wilton Jr. (Assistente Social da SEMTHAS) informam que quem desejar contribuir com o FIA devem procura-los na sede do CREAS (Avenida Cândido Dantas, 804), ou na SEMTHAS (Rua do Plutônio) para mais informações sobre como colaborar com os projetos sociais que trabalham com crianças e jovens.
O CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA - COEDE/RN, DESEJA A TODOS UM FELIZ NATAL...FELIZ ANO NOVO!!!

Pessoas com deficiência não usam 'passe livre' para viajar pelo país

Um benefício do Governo Federal dá a pessoas com deficiência a oportunidade de viajar gratuitamente pelo país de ônibus. 

Para isso, basta ter a carteirinha do passe livre, mas são poucos os que conhecem e usufruem deste direito. Os assentos são reservados, mas dificilmente as empresas conseguem preenchê-los.

Na rodoviária de Sorocaba (SP), a procura de passagens com o passe livre é pequena. "Tem empresa que passa o mês inteiro e não tem nenhuma procura. 

Outras empresas que já tem uma ou duas passagens que é emitidas para deficiência no mês", explica o gerente operacional da rodoviária, Osório Vieira.

Os destinos preferidos para o uso do passe livre são o Rio de Janeiro e Goiânia. Mas, por desinformação, muitas pessoas perdem o direito ao benefício. 

"As pessoas chegam aqui não sabendo que existe uma carterinha e daí elas perguntam se podem viajar sem a carterinha e eu digo que não", frisa o agenciador Ricardo Luís da Costa.

Marcos Cardoso Santos tem deficiência visual e sempre carrega a carterinha, que possui há dois anos. O benefício serviu para alavancar a carreira de paratleta de natação, já que ele participa de competições pelo país e não paga nada pela viagem. 

"Eu já fui para Fortaleza, Porto Alegre e outros lugares. Então, eu estou usando o passe livre para participar dos campeonatos".
 
Por lei, as pessoas com qualquer tipo de deficiência e que tem renda mensal de até um salário mínimo por pessoa podem ter acesso ao passe livre. Com a carterinha, é possível conseguir passagens de ônibus de graça nas viagens de um estado para o outro.

Para fazer a carterinha do passe livre, o interessado deve acessar o site do Ministério dos Transportes e preencher um formulário, que solicita o envio de cópias do documento de identidade e do laudo do Sistema Único de Saúde (SUS) comprovando a deficiência, além de uma declaração de renda familiar. O cartão é enviado pelo Correio.

Para usar o benefício, as pessoas com deficiência devem apresentar a carterinha junto com a carteira de identidade nos guichês das empresas. O pedido pode ser feito com antecedência de um mês e até três horas antes do embarque. 
 
As empresas de ônibus são obrigadas a reservar dois assentos em cada ônibus. Caso o interessado não consiga a passagem para a data pretendida, a empresa é obrigada a reservar em um outro dia e horário.
 
Fonte: G1

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Servidores ensinam pintura em azulejos a pessoas com deficiência

Foto dos alunos com deficiência na oficina 
 
Disponibilizar um espaço de inclusão e ao mesmo tempo estimular a criatividade é um dos objetivos da Oficina de Pintura em Azulejo, projeto idealizado pelos servidores públicos Warley Resende e Heloisa Gomides, de Uberlândia (MG). 
Criado há mais de dez anos na cidade, a atividade oferece aulas de arteterapia para pessoas com deficiência todas as segundas-feiras, das 9h às 11h, na Biblioteca Municipal.
A atividade é oferecida por meio da Secretaria de Cultura e atende mais de 20 alunos com Síndrome de Down, autismo, paralisia e outras deficiências. 
“Havia uma demanda por espaços que estimulassem a realização de atividades para pessoas com deficiência na cidade, então nos propusemos a ajudar e montar esse grupo. Eu tinha o conhecimento sobre a pintura e especialização em psicopedagogia. Juntei as habilidades, conversei com a diretoria de cultura e resolvemos possibilitar esse espaço”, explicou o professor da turma, Warley Resende.
Durante a aula, cada aluno ganha um azulejo e, após passarem um creme protetor, iniciam a pintura. Os materiais usados são tinta óleo e materiais alternativos, como panos velhos, palitos de dente e Etil Vinil Acetato (EVA). 
“Primeiro explico o que vou desenhar para que os alunos já imaginem o desenho. Depois faço meu desenho na frente de todos e libero para que cada um faça o seu”, acrescentou Warley.
De acordo com o professor, nas aulas são usados recursos de sombra e perspectiva, além de elementos conhecidos, como sol, céu, casa, montanhas, cachoeiras. 
“Procuro elementos conhecidos pela maioria, pois não adianta propor uma arte muito difícil, que dificilmente todos irão realizar. Não que eu duvide da capacidade dos alunos, mas tem que ser algo alcançável por todos”, comentou.
Noemia Junqueira é mãe da aluna Larissa, de 25 anos, que tem Síndrome de Down. A mãe contou que conheceu o projeto por meio da psicóloga da filha e que no início ficou com receio, pois a filha não gostava de sujar as mãos. Segundo Noemia, antes de encontrar a oficina de pintura ela tentou várias alternativas em escolas particulares da cidade.
“Segui o conselho e a Larissa adorou a aula. Ela foi a primeira aluna com deficiência a ser atendida pelo projeto. Acredito que a atividade melhora não só o lado criativo dos alunos, mas a coordenação motora e tátil. 
Eles acabam brincando com as combinações de cores e paisagens. Todos são muito resistentes a mudanças, mas o professor sabe coordenar bem e tem uma resposta positiva”, ressaltou Noemia.
Para o idealizador do projeto, a atividade procura seguir um modelo que vai de contramão à sala de aula tradicional. 
“O objetivo do projeto é criar um espaço de inclusão para as pessoas com deficiência e seus familiares. Por meio da arte, mostrar outros olhares para esses alunos, levantar a autoestima e também trabalhar a coordenação motora. Muitos pais relutam com a condição dos filhos e se preocupam se o filho fará um trabalho tão bonito quanto o do colega. Mas trabalhamos com humanos diferentes e fazer com que o aluno se sinta importante é o principal objetivo”, relatou Warley.
Além das aulas de pintura, a também fundadora do projeto Heloisa Gomides organiza confraternizações com a turma em datas comemorativas. Carnaval, Páscoa, Dia das Crianças entre outras são pretextopara reunir o pessoal. A tradição começou no espaço de sala de aula, mas hoje é feita na casa da profissional. 
“É uma grande ferramenta para os familiares perceberem os alunos além da deficiência e aprimorar a relação interpessoal com os colegas”, disse Warley.   
 
Projeto
 
Segundo Warley, o projeto foi criado há 12 anos, mas apesar de já ter recebido verba de  governos anteriores, atualmente não faz parte do orçamento do Executivo. Isso faz com que não haja uma projeção para que outras turmas sejam abertas para atender a demanda.
“Desde a criação do projeto, já atendemos mais de 100 jovens e atualmente temos uma lista de espera de mais de 200 nomes. Mas infelizmente não é possível atender todo mundo que nos procura. O justo seria ter mais espaços públicos para desenvolvimento de atividades como essa”, comentou.
Sentimento compartilhado por Noemia, que sente falta de opções de atividade para a filha na cidade. 
“Faltam profissionais para trabalhar com esse público aqui e de um local com estrutura completa e integrada. Temos que pensar que muitos deles já estão acima dos 20 anos e já passaram da fase do ensino fundamental e médio. Isso faz que com fiquem reféns a atividades de lazer variadas para não ficarem em casa dormindo ou apenas assistindo TV. E para isso, é necessário o estímulo de outras atividades”, finaliza a mãe.

Fonte: G1